dermatite

Dermatite de Contato

A dermatite de contato é uma reação inflamatória que ocorre na pele devido à exposição a um componente que causa irritação ou alergia, mas não é contagiosa ou oferece risco de vida. Erupção cutânea, coceira, vermelhidão e descamação são sintomas comuns. Pode aparecer logo na primeira vez em que entramos em contato com o componente ou após algum temp. O fato de ser aguda ou crônica se dá pelo tempo de duração da doença: mais de seis semanas é aguda e menos de seis semanas, crônica. Se um primeiro contato já causar lesão é a dermatite de contato por irritante primário; quando precisa de mais de uma exposição, é chamada dermatite de contato alérgica.

Algumas substâncias que normalmente podem causar a dermatite de contato são:
• Plantas;
• Cobre, níquel ou outros metais presentes em bijuterias, relógios e adornos de roupas ou calçados;
• Medicamentos tópicos (antibióticos, anestésicos e antifúngicos);
• Cosméticos (perfumes, shampoos, condicionadores, cremes hidratantes e esmaltes de unhas);
• Roupas e tecidos sintéticos;
• Detergentes e solventes;
• Adesivos;
• Cimento, óleos, graxas e tinta de parede.

Alguns produtos causam reações somente após exposição solar concomitante, como o sumo de frutas cítricas e perfumes. Outros produtos podem entrar em contato com a pele quando carregados pelo ar, como inseticidas em spray e perfumes para ambientes.

As dermatites de contato podem ocorrer tanto no ambiente doméstico como nas atividades de laser e no trabalho. Neste último é chamada de dermatite de contato ocupacional.

Os sintomas são variáveis e dependem da causa: ardor ou queimação até intensa coceira (prurido). As reações alérgicas podem ocorrer repentinamente ou meses após a exposição a uma substância, o que pode dificultar na descoberta do agente causador da alergia ou irritação.

A dermatite alérgica, muitas vezes, provoca uma erupção vermelha no(s) local(is) em que a substância entrou em contato. A reação alérgica surge após 24 a 48 horas da exposição. A lesão pode ser inchada e vermelha, com pequenas bolhas; quente; ou formar crostas espessas.

A dermatite irritante torna a pele seca, vermelha e áspera. Fissuras podem se formar no local. Os sintomas são mais discretos com pouca coceira e sensação de dor e queimação.

Dermatite de Contato

O tratamento depende muito da extensão e da gravidade do quadro, e as medidas poderão ser apenas locais ou incluir a utilização de medicações via oral ou injetáveis.As mãos são um local comum da dermatite de contato. Vários agentes podem ser os causadores, como produtos de limpeza, cosméticos (cremes e loções hidratantes) e são frequentemente afetadas em atividades profissionais, como cabeleireiros, auxiliares de limpeza e pedreiros.

Um dos primeiros passos inclui a higienização com água para remover qualquer vestígio do irritante ou alérgeno que possa ter permanecido na pele.
Geralmente nos casos em fase aguda, pode-se utilizar compressas úmidas, secativas ou antissépticas.

Cremes ou pomadas adequados são utilizados para reduzir a inflamação da pele. É fundamental seguir atentamente as instruções ao usar esses cremes. O uso excessivo pode deixar a pele dependente ao produto. Adicionalmente, ou para substituir os cremes ou pomadas anti-inflamatórias, o médico pode prescrever medicamentos chamados imunomoduladores tópicos.

Nos casos em que existe muita coceira e/ou nos casos mais graves, podem ser necessários o uso de antialérgicos orais ou corticosteróides orais ou injetáveis.
Emolientes e hidratantes ajudam a manter a pele úmida e também auxiliam na reparação e proteção da mesma. Eles são utilizados nas fases de resolução, quando a pele começa a descamar e secar, além de ser parte fundamental para a prevenção e o tratamento da dermatite de contato, principalmente aquelas que envolvem contato frequente com água.

Em caso de alergia, jamais se automedique ou busque “soluções mágicas”, pois elas podem agravar ainda mais o problema: procure sempre um médico.

________
Referências: SBD, SBCD, Tratado de Dermatologia de Fitzpatrick e Manual de Dermatologia Clínica de Sampaio e Rivitti
Colaboração: Dra. Daniela Velozo – médica dermatologista